cremilda_unhasparte1_03

Unhas: uma odisséia. Capítulo 1.

cremilda_unhasparte1_03

PRÓLOGO:

Nunca liguei para as unhas como algumas amigas. #confissão Também nunca roí nenhuma (se você está buscamdo algum motivo neste exato momento…). Claro que fazia as unhas em ocasiões tipo casamento e… hum… deixa ver… acho que só em casamentos mesmo… e olha que a minha família não é assim de casaaaar com frequência, sabe? #crítico Pois bem, precisei ficar adulta e começar a namorar um lindo que adora unhas bem feitas, pra tomar alguma providência, né? Não queria fazer feio com o digníssimo e nem nas reuniões de trabalho, com as unhas sem esmalte e cutículas a granel.

Mas que graça tem cuidar das unhas se elas descamam, não seguram o esmalte por mais de 4 dias e ainda quebram justo naquele momento mágico em que podemos vê-las ultrapassarem os dedos? Graça nenhuma. E olha que testei a aclamada cerinha nutritiva da Granado (que ajudou em 30%); base fortalecedora também da Granado; base fortalecedora da Mavala; base Casco de Cavalo; base fortalecedora da Sally Hansen e base de mil coisas e as danadinhas continuavam desmanchando… Viagens?! As unhas faziam (vamos supor que não farão mais, tá? OREMOS!) verdadeiros motins contra minha pessoa munidas com todos os recursos aterrorizantes para uma mulher em país estrangeiro sem coragem de se jogar na manicura Mary-Ann Jackson, from Ohio, desconhecida.

cremilda_unhasparte1_06

CAPÍTULO 1: FAZENDO AS UNHAS NO JAPÃO

Daí que esse ano passei 17 dias de férias em ambientes e países super secos: um total de 50h dentro de um avião + algumas horas transitando em aeroportos sem nenhuma fresta de ar natural + deserto em Dubai + clima temperado no Japão. Se aparecesse o Jason ou Chuck para tentarem me matar, em qualquer parte desta viagem, apenas mostraria minhas unhas e eles teriam piedade de mim. #paposério

Daí que na primeira manhã linda de sol em Nagoya, eu e minha irmã imploramos para sermos levadas a um salão para fazermos as unhas! A fofa da Kayo (falei dela no post anterior) marcou uma hora num salão exclusivo para as unhas e lá fomos nós acreditando que iriamos nos deparar com técnicas orientais milenares aliadas a uma altíssima tecnologia adquirida no ano de 2098 e, PASMEM, foi mais esquisito do que se tivesse tido isso tudo que eu falei!

Brasileiras são únicas em muitos quesitos de beleza, a ponto de exportarem sua expertise para outros países. Manicure é uma delas! Não conheço outro países que remova a cutícula… Alguém aí sabe? O fato é que “malmente” as empurram com espátula. Eu sou das que tiram as cutículas por pura vingança de todo constrangimento que elas já me fizeram passar na vida – mas reconheço a função delas para a saúde, criando uma barreira protetora importantíssima contra germes, bactérios, etc. #SonhoNãoPrecisarRemoverCutícula

Daí que no Japão elas não tiiiiiiram as cutículas, mas fui deixando tudo rolar só pela experiência completa de fazer as unhas como uma típica japonesa… Não ia impedir esse momento com meu conhecimento tupiniquim sobre unhas (a mazelada das unhas se achando P.h.D. no extremo oposto do mundo… sinal de que ele dá mesmo voltas!). Então vou listar os passos todos:

1. Nada de ficarem numa cadeirinha anã no maior desconforto. Como em muitos outros países – e o salão em que estava era uma franquia de Los Angeles – o local era equipado com mesa e cadeiras em tamanhos e formatos ergométricos para cliente e manicura ficarem confortáveis. Além disso, luminárias com luz fria e todos os utensílios à mão (sem gaveta bagunçada);

cremilda_unhasparte1_07

cremilda_unhasparte1_051

 

2. Ponto importante que eu me dei conta AGORA: Não vi se o alicate era ou não esterilizado #failtotal Mas vi que todo o resto do material era descartável… Se bem que, pensando melhor, o alicate tava ali mais para não tomar falta mesmo, porque passa looonge de tirar um bife… ele almost flutuava sobre os dedos tamanho inexpressão;

3. Escolher esmalte lá é de uma praticidade sem-fim para quem só conhece rebu, licor, renda, inveja boa, chic pele e estrela do mar: Um mostruário com unhas fakes já pintadas nas cores disponíveis no salão! Elas mostravam as cores “campeãs de audiência” mas se você quisesse testar qualquer cor ou mistura de cores numa unha zerada também poderia! Fiquei com um vermelhão tomate pra encurtar assunto.

4. Todas as manicures da loja super fofas e felizes por estarem atendendo duas brasileiras no salão. Diga se não é amor? Nessa hora se tirasse bife eu acho que emoldurava o pedaço removido só pela gratidão recíproca de ser bem atendida. Ainda aprenderam a falar “obrigada” e se despediram assim de nós… <3

5. VAMOS AO QUE INTERESSA? Pegue uma espátula e empurre com toda a força de uma borboleta. Saque o alicate (figura ilustrativa para indicar com precisão o instrumento de que estamos falando) e manusei-o com cuidado pois é um objeto cortante/perfurante (nesta hora a japonesa traduz como: flutue o alicate sobre os dedos retirando 3% do necessário). Guarde os objetos. Parabéns! Trabalho concluído. #SQN

6. A parte divertida: ESMALTAR! Considerando que os japoneses já nascem sabendo fazer um belíssimo tsuru em papel origami e a escreverem o kanji com pincéis… então pensem no nível estratosférico de cuidado ao pintar uma unha. É nível very easy pra eles! E elas fazem com tanto cuidado que quase não borram. Ah! E ainda pintam bastante as pontinha das unhas (ao contrário daqui que a gente costuma retirar o excesso para fazer o esmalte durar mais).

cremilda_unhasparte1_09

7. E na hora de limpar? Rá… Essa parte eu não consegui me conter!!! Sabe aquele palito de madeira? É mergulhado num potinho com acetona – separado somente para o meu uso – e fim. CADÊ ALGODÃO? Apois… Deixei que ela fizesse como de costume mas reparei que não ia ficar aquela unha-photoshop com cantinhos limpos e contei que estava achando curioso ela não usar algodão… Expliquei o hábito brasileiro e ela, fofonilda, pegou um tufinho de algodão e enrolou no palito e fez igualzinho. Nessa hora, se ela arrancasse o meu dedo eu também iria emoldurar… Já tava apaixonada pelas meninas do salão (que passaram o tempo todo falando loucamente em japonês com a Kayo – que também fez a tradução simultânea do que eu dizia em inglês para japonês).

8. Spray? Óleo secante? Que nada… Coloque suas mãos embaixo de um secador por alguns segundos e tenha unhas 80% secas NA HORA. #Emoçãooooo

9. Clientes brasileiras satisfeitas com o atendimento atencioso e toda experiência vivida e tentando não olhar detalhes das unhas para não estragar esse momento de total êxtase. Rsrs Claro que para o que estavam, as unhas melhoraram exponencialmente! Mas nada comparado a nossa boa, velha e “photoshopística” manicure brasileira.

cremilda_unhasparte1_10

Gostaram do post sobre unhas? Quem aí tem uma experiência estrangeira com manicure?! Conta pra mim!

Agradecimentos especiais à minha irmã que tirou fotos lindas que ilustram esse post e para Kayo Chan, japonesa querida de que já sinto saudades… Arigatô, girls!

 

Mai Saraiva

Mai Saraiva é baiana, designer, viciada em creminhos, makes, liphalm, dermato, peep-toes e internet.

6 Comments

  • Patricia
    03/11/2015 15:21

    Nossa, mto legal! Adorei!

  • Mamah
    29/07/2014 17:29

    Arrasou Mai! Estava com saudades do Cremilda :)

    Beijo grande,

  • Catymalafaia
    24/07/2014 21:18

    Mai, tem uns 4 meses que não tiro a cutícula, no início dava vontade de tirar tudo com aquelas pontas horrorosas aparecendo, super agoniava, mas hoje já não tem mais nenhum cantinho rebelde, nem empurrar eu empurro! Maaaas pra manter eu uso muito hidratante de mãos e de cutícula (em forma de caneta, muito prático de usar)!
    Quando contei à dermato ela achou ótimo, disse pra não voltar a tirar nunca mais rs

    Bjs

    • Mai Saraiva
      24/07/2014 23:50

      Caty, não consigo fazer isso! As minhas cutículas não são discretas! Rs Uso creme para mãos e cuticulas e tem ate a canetinha tb mas não funcionam essa maravilha toda comigo não… Qual a frequencia que você passa os creminhos durante dia? Vai ver eu uso menos que vc… Me conta! Tb queroooo!! Rsrs Bjsssss Mai

      • Catymalafaia
        25/07/2014 23:37

        Mai, a canetinha eu uso no máximo 2x por dia (as vezes nenhuma) porque me esqueço sempre, mas o hidratante nas mãos uso sempre que lavo, saio do banho ou sinto a pele ressecada (o q ocorre toda hora por causa do clima seco daqui!), acho que isso dá umas 4, 6x por dia, é toda hora mesmo! Rsrs bjss

  • Mila
    24/07/2014 06:30

    Experiência incrível, cordialidade e simpatia, NOTA 10!. Ok, ok, as japas não tiraram as cutículas, mas a precisão na pintura foi algo Top!

Leave a Reply